fbpx

Matchday #1 – Um dia com os “estagiários” do Ferroviário Atlético Clube. | Futebol de Terno, por Fellipe Gonçalves

Ei, você, que pensa em atuar no futebol, já deve ter pensado em como deve ser o trabalho dos “estagiários” em dias de jogos. Por isso, lhe apresento o quadro Matchday, que vai mostrar um pouco dessa realidade. Ajeite-se na cadeira, abra uma cerveja (se for maior de 18 anos) e vamos lá!

Este colunista que vos fala é, há anos, apaixonado por comunicação. Há mais tempo ainda, é apaixonado pelo futebol. Quando criança, era goleiro na escolinha do Manoel Tobias, craque da seleção brasileira que foi eleito 3 vezes melhor jogador de futsal do mundo pela FIFA. Embora nunca tenha conseguido entrar em campo para jogar, na última quarta-feira, dia 4, subi ao gramado para uma atividade diferente: cobrir o jogo com a equipe de marketing do Ferroviário Atlético Clube.

Esse post teve início no domingo, dia 1 de março, quando, ao conversar com minha namorada, falei “pô, seria muito legal cobrir um jogo de futebol com um clube, né? A sensação de entrar em campo, as coletivas… Deve ser massa!” e fui dormir com a cabeça abarrotada de ideias. Na segunda-feira, pela manhã, falei com o Evandro Ferreira Gomes, craque do marketing esportivo e CEO da Panenka Sports Marketing (agência especializada em atletas) para conseguir o contato do Chateaubriand Arrais Filho, diretor de marketing do clube coral, para apresentar o Brand Bola, a coluna Futebol de Terno e a proposta do quadro. Conversamos e cheguei até o assessor de imprensa, Lenílson Santos, o qual me atendeu prontamente e me esclareceu todas as dúvidas, além de viabilizar o projeto. Acertamos todos os detalhes e combinamos o jogo que serviria de case: Ferroviário x Fortaleza, às 21h30, no Estádio Presidente Vargas.

 

Antes da bola rolar…

No dia do jogo, cheguei ao estádio por volta de 19h30, duas horas antes da bola rolar, e o assessor, Lenílson, já estava em atividade. Fui apresentado ao Francisco Victor, que também faz parte da equipe de comunicação do clube, e entendi um pouco da divisão de atividade dos dois. Enquanto um está no campo e cobre o jogo para o Instagram por meio de Stories, o outro assiste do espaço destinado à imprensa e narra o jogo pelo Twitter.

Às 20h30, o Ferroviário chegou ao estádio. Dirigimo-nos à entrada dos vestiários para transmitir ao vivo a chegada do clube e divulgar a escalação nas redes sociais. Após isso, conduzimos o defensor Gabriel, estreante da noite, para ser entrevistado por radialistas. Logo depois, seguimos ao campo para acompanhar o aquecimento dos goleiros e, posteriormente, dos jogadores de linha. Confesso que deu um frio na barriga por subir pela primeira vez na vida a um gramado em dia de jogo. Fomos comunicados que os titulares entrariam com camisas alusivas ao dia da mulher, pois seria o último jogo antes da data.

Com ambos os clubes aquecidos e devidamente preparados, chegou a hora do jogo. Juntamente com o Victor, subi ao espaço reservado à imprensa para acompanharmos o clássico e, enquanto a partida não começava, conversamos sobre a sua atuação. Ele me mostrou um arquivo no celular que contém todos os tweets possíveis (início e final de jogo, gols, cartões e intervalo) para que se agilize a postagem na rede social, tudo isso acompanhado de um papel com a escalação e numeração do seu clube e do rival.

1.png
Foto: Fellipe Gonçalves

 

Vai começar a partida!

Um gol contra logo nos primeiros minutos levantou o público e, posteriormente, ditou o resultado final em favor ao clube coral. No segundo tempo, um conflito na torcida do Ferroviário,  localizada atrás de uma das metas, acabou em coesão policial e gás de pimenta, causando uma apreensão nos torcedores presentes. Após o apito final, era nítida a alegria incontida nos rostos da presidência, da equipe de marketing e, sobretudo, dos atletas.

2.png
Foto: Fellipe Gonçalves

 

O juiz apita o fim, mas o trabalho continua.

Passada a euforia, retornamos ao campo para fazer o acompanhamento das entrevistas coletivas. A sala de imprensa do estádio foi destinada ao treinador do Fortaleza, Rogério Ceni, portanto, o pronunciamento do comandante coral, Anderson Batatais, foi realizado no gramado. Durante as entrevistas, um fato chamou atenção: os dois auxiliares (bandeirinhas) são pai e filha, sendo esse jogo o maior em que já atuaram juntos. Estava estampada no rosto dos dois a gratidão pela oportunidade e sensação de dever cumprido. Após a comovente situação, chegou a hora da coletiva do Batatais, coberta pela dupla de imprensa da seguinte forma: Lenílson captava as imagens, já Victor, o áudio, que seria repassado aos radialistas através de grupos do WhatsApp. Nesse momento, com o estádio quase todo apagado, chegava ao fim a minha atuação no Ferroviário.

3.png
Foto: Fellipe Gonçalves

 

Agradecimentos:

Gostaria de deixar clara a minha completa gratidão pela oportunidade de viver essa experiência tão rica com um clube de futebol, que seria quase impossível sem o Brand Bola. Também não poderia deixar de agradecer ao grande Evandro Ferreira Gomes, que facilitou o meu contato com o clube, e aos sensacionais Chateaubriand Arrais, Lenílson Santos e Francisco Victor, a equipe de marketing do Tubarão da Barra, que, sempre com muita solicitude e simpatia, compraram a ideia e me abriram as portas do Ferroviário Atlético Clube para dividir um pouco da sua rotina. Muito obrigado, pessoal!

Cearense, graduado em Marketing, atua como Social Media e Redator. Um apaixonado por futebol que não se tornou jogador, mas se mantém próximo escrevendo sobre gestão e marketing no esporte.
Instagram: @_felliipe e @marketingfutebolclube

Publicado por fellipegoncalves

Cearense, graduado em Marketing, atua como Social Media e Redator. Um apaixonado por futebol que não se tornou jogador, mas se mantém próximo escrevendo sobre gestão e marketing no esporte. Instagram: @_felliipe e @marketingfutebolclube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *