fbpx

O cliente tem sempre razão | Por Moisés Elias

O Atlético-MG lançou no último domingo (19), sua mais nova coleção de uniformes que será usada na temporada 2020. O evento que foi realizado por meio de uma live, comandada pela Tv Galo, a rede oficial do Clube –, mostrou como o Galão da Massa vem vestido para o Campeonato Brasileiro e para sequência do Campeonato Mineiro, que se reiniciará no próximo dia 26 de julho.

Entretanto, um fato em especial dividiu as redes sociais do clube antes, durante e depois da realização do evento. A cantora Gabi Martins foi uma das escolhidas para comandar a parte musical do lançamento, porém, sofreu forte resistência de boa parte da torcida atleticana.

A artista, em um passado não muito distante realizou uma postagem em suas redes sociais onde, vestida com a camisa do Flamengo cantava o hino e declarava seu amor ao clube carioca.

Você deve estar se perguntando o porquê da presença de Martins no evento ter sido censurada por uma fatia da torcida atleticana.

Atlético-MG e Flamengo são rivais históricos desde os anos 1980, onde foram protagonistas de partidas memoráveis; onde sobrou técnica em campo – mas também arbitragens duvidosas a favor do time da Gávea. Fato que transformaram os dois clubes em ferrenhos antagonistas.

Na semana anterior à live, torcedores já haviam manifestando sua indignação. A diretoria do clube mineiro em reposta, limitou-se a dizer que a presença da cantora seria mantida, e que seria extremamente importante para o clube no quesito visibilidade, pois ela possui milhões de seguidores em suas redes sociais e geraria um enorme engajamento.

É preciso ser dito que os mandatários do clube mineiro não estão errados ao que tange este aspecto. É sempre importante buscar parcerias com outras marcas ou pessoas que possam agregar valor, e, assim, promover a imagem da sua empresa. Mas, antes disso, é vital compreender se o seu público e o da sua eventual parceria dialogam.

Falando de repercussão, é uma grande sacada, pois Gabi possui mais de 8 milhões de seguidores em sua conta no Instagram, quase 600 mil seguidores no Twitter e algo em torno de 840 mil pessoas que acompanham seu trabalho no Youtube. Isso dá mais de 9 milhões de seguidores englobando suas contas nas principais redes sociais.

Em contrapartida, o Atlético-MG gerou um grande mal-estar com boa parte de sua torcida, que desaprovou a escolha e a manutenção da artista para se apresentar na live. Levando, inclusive, a principal torcida do clube  a soltar nota de repúdio.

Em seu texto, a nota sugere aos dirigentes nomes de cantores atleticanos que poderiam comandar o evento, caso de Wilson Sideral, Djonga, Rogério Flausino e o jornalista e apresentador da Tv Globo Chico Pinheiro.

Como já dito aqui em outros artigos de minha coluna: o torcedor precisa ser escutado. É ele quem consome os produtos do clube, quem paga o pay per view e também o ingresso – o futebol só existe por ele e para ele. Então, ter ouvidos sensíveis e apurados ao que ele diz é crucial, e o cliente tem sempre razão. Reza a velha lenda de mercado.

Jornalista, graduado pela UniBH, Especializado em marketing digital. Um apaixonado pelo futebol e pelos esportes de aventura. Atualmente atua como repórter e colunista do portal de marketing esportivo Brand Bola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *