fbpx

“A importância da Web TV para o seu clube”, Por “Raphael Dylan”

A primeira transmissão ao vivo de uma partida de futebol no país foi em 1955, no aniversário de 5 anos da TV no Brasil. O jogo foi Santos 3 x 1 Palmeiras, na Vila Belmiro, transmitido pela Record. Lá se vão 65 anos e muita coisa mudou de lá pra cá, meus amigos. A importância de um veículo audiovisual para um clube de futebol é tanta que você nem imagina. Eu vivi alguns casos in loco, e posso dizer: “você precisa ver o gol, pra saber que foi gol.”

Primeiramente, uma pergunta: O time da sua cidade possui um canal (Web TV) oficial? Caso não tenha, acredito que a mentalidade dos diretores desse clube esteja perto de 1955. Isso se o time ainda estiver em atividade.

O primeiro clube no Brasil a ter um canal oficial (na época apenas no You Tube) foi o Flamengo em 2008. Depois em 2012, que para mim foi o boom da Web TV “clubista”, o Santos atingiu a marca de 40 milhões de visualizações e aumento de 50 mil inscritos. Para o clube, foi quase um “mil gols de Pelé”. E o que contribuiu muito foi o fator “Neymar” e cia, que estavam com tudo naquele ano.

O aumento dessa mídia nos clubes de futebol vem aumentando a cada ano. Todos os clubes da Série A e Série B (2019) possuem seu canal no Youtube e, alguns, optam por utilizar a plataforma do Facebook. A visibilidade é grande, o retorno é imediato, a interação do torcedor é frequente e a exposição da marca dos patrocinadores é destacada. Tudo isso e mais um pouco pode-se conquistar com um canal audiovisual, e até ter um retorno financeiro significativo ou sanar algumas dívidas.

E o custo? Pode ter certeza, é um benefício!

Em 2013, vi a oportunidade de criar (totalmente do zero) um canal para a URT, na época o clube estava no Campeonato Mineiro Módulo II. O acordo com o clube era de parceria com uma produtora de vídeo. A empresa era livre na busca por patrocínio para bancar a Web TV, em troca, o clube dava liberdade de produção em todos os jogos, incluindo as despesas nos jogos fora de casa. Ou seja, basicamente custo zero ao clube.

A ideia era focar nos bastidores, lançar um vídeo novo no dia após os jogos e valorizar torcedores e jogadores. Esse último, até mais, pelo fato de que o atleta que joga em clubes regionais, consequentemente, busca outro clube no final do campeonato. E, a maioria deles, precisa de um bom material em vídeo, para apresentar seu portfólio aos diretores. O resultado foi o acesso da URT para a primeira divisão, e posteriormente, foi Bicampeã do Interior.

Para o clube que deseja contratar um profissional ou uma equipe para a Web TV no clube, a proposta de patrocínio passa a incluir mais uma mídia, valorizando na hora da apresentação às empresas. Ou então, buscar patrocinadores exclusivos para custear a equipe de produção da Web TV. E, o mais importante, esse profissional deverá ter os equipamentos necessários para a captação das imagens e edição.

As formas de se criar e manter uma Web TV são muitas, mas alguns pontos importantes são precisos levar em conta, para não transformar oportunidade em ameaça. As mais comuns são através de parcerias com produtoras de vídeos, a contração de um videomaker para o clube, ou até mesmo investir em uma equipe especialista para compor o setor de marketing. E é quase que obrigatório gostar de Futebol.

Temos que tomar alguns cuidados na hora de colocar o projeto em prática. São eles:

  • Criar uma identidade visual que remeta as ideologias e história do clube. Isso é importante para que o torcedor possa ter uma melhor interação;
  • Contratar (ou fazer parceria) um profissional. Eu nasci em um ambiente audiovisual e posso afirmar que é um trabalho muito difícil. Um videomaker é responsável por captar as emoções dos jogos e levar ao torcedor de um modo que não é mostrado na TV. Por isso é importante que esse profissional, seja ele contratado ou parceiro, tenha uma qualidade no trabalho;
  • Ter frequência rápida de publicação. O torcedor quer ver imagens de outros ângulos, principalmente dos bastidores, mas não demore a publicar o vídeo, se não, perde a graça;
  • Não polua sua edição. Os textos podem ser traiçoeiros para uma edição rápida, e o principal do vídeo são os lances de impacto e os bastidores;
  • Tenha atenção na hora de finalizar o vídeo. Quando trabalhei nesse setor, eu enviava todos os vídeos para o treinador aprovar. Algumas palavras podem confundir e trazer transtornos à comissão técnica e aos jogadores;
  • Aproxime dos atletas e comissão. Eles vão mostrar qualidade em campo, e os mesmos, vão fazer com que seu vídeo seja atrativo;
  • E por fim, valorize o patrocinador. Principalmente se ele for exclusivo da Web TV. Você pode além de inserir sua marca no vídeo, fazer alguns takes do seu logotipo no estádio (caso tenha), claro, sem forçar muito a barra.

É sempre bom guardar esses pontos para o sucesso da Web TV de seu clube. Para a captação de patrocínio exclusivo, fica muito mais fácil quando se tem profissionalismo no setor. É comum vermos alguns casos de amadorismo na área, até mesmo em alguns clubes com expressão maior. Por isso, é preciso valorizar o que você tem em mão e cuidar da imagem do seu patrocinador, caso contrário, ele não vai voltar a expor sua marca e, futuramente, criticar o clube.

Por fim, é isso. Como é minha primeira publicação no Brand Bola, gostaria de agradecer a esse fenômeno do marketing que é o Jotapê! Muito Obrigado. E também, dizer aos meus leitores que, quinzenalmente, toda terça-feira, tenho um compromisso com vocês de trazer um pouco mais sobre “Marketing Custo x Benefício para clubes regionais”. Para dúvidas ou sugestões estarei sempre à disposição pelo Instagram @dylanmkt. Valeu!

Fonte da Foto: TV URT / 2013

 

Formado em Publicidade e Propaganda, e pós-graduado em Marketing Esportivo. Atuo no mercado esportivo na agência XMedia Brasil. Escrevo para o Brand Bola sobre o tema “Marketing Custo x Benefício”. Instagram: @dylanmkt

2 Comentários

  • Ney Rubens

    Opa, bom texto.
    Agora, posso estar enganado, mas a TV Galo é a primeira webtv de clubes. Começou no início de 2007, comigo, Ney Rubens, e o Neilson Dias, como cinegrafistas e editores. Acompanhávamos o time onde jogava. A TV Fla, hoje Fla Tv, se não me engano também, começou em 2009, com a entrada da Olympikus e a criação do canal pela Vipcomm Assessoria, ainda como portal TorcidaOlympikus/TV Fla. As duas primeiras matérias foram feitas por mim com a repórter Samira Pontes, entrevistas com Adriano Imperador e Gabriel, O Pensador. Teve até transmissão ao vivo do desfile de uniformes, uma das primeiras também. Na época a gente já trabalhava no Cruzeiro, que tinha a Reebok como fornecedora de uniformes. Reebok e OLK eram do mesmo grupo. Abraços.

    • Raphael Dylan

      Obrigado Ney. Grande trabalhos realizados por você. Esteve presente nesse meio das webtvs. No inicio muitos migraram para a TV a Cabo, então teve um reconhecimento maior. Mas quando o Neymar teve ascensão no Santos, foi o boom da área. O garoto tinha conteúdo que até o rival queria assistir. kkkk Continue me acompanhando. Obrigado novamente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: