Daniel Alves: é irreal, mas ele está aqui! | Por Felipe Blanco

“É irreal, mas ele está aqui”. Este é o bordão escolhido pelo São Paulo FC para apresentar a maior contratação de todos os tempos do futebol brasileiro, que aconteceu em 2019: Daniel Alves. Reclamem, relativizem ou problematizem, mas o lateral direito, de 36 (trinta e seis) anos, é a maior contratação do país do futebol na atualidade.

O jogador com maior número de títulos – 40 (quarenta) – da história do futebol mundial, superando até Pelé, voltou para o seu país, mas não como qualquer outra das estrelas em declínio da história recente, que, ainda assim, brilharam no céu da pátria por alguns instantes, como Romário – que foi recebido por milhares em passeata pela rua – Ronaldo, Ronaldinho e Roberto Carlos. Seu retorno ocorre em especial momento da sua gloriosa trajetória como atleta. Ele acabara de sagrar-se campeão da Copa América defendendo a seleção brasileira como capitão e sendo coroado como o melhor jogador da competição.

Foto: 2019 Chris Brunskill/Fantasista

Após a conquista e mais um prêmio individual, com grande mérito, o mercado futebolístico europeu abriu-se como um oceano, no qual Daniel poderia navegar sem preocupação, selecionando com a calma de um sábio veterano o local para atracar seu talento. Dentre as incontáveis opções à mesa, estavam os maiores times do mundo, assim como a opção de permanecer no bilionário clube no qual vestira a camisa na última temporada, o Paris Saint Germain-FRA, onde venceu seis campeonatos ao lado do campeão do mundo M’bappé e do badalado Neymar.

Imagem: Daniel Alves Campeão Francês

Mesmo com o mundo aos seus pés, Daniel Alves da Silva optou por escolher o Brasil e o seu time do coração. Seu retorno foi romântico e messiânico para torcedores são paulinos e amantes do futebol. Até os torcedores rivais e fanáticos sucumbiram – ainda que alguns não ousem declarar – ao poder que a contratação emana. Não me refiro à técnica, ao talento, à gana e ao profissionalismo que o jogador esbanja; falo acerca do sonho que habita no coração de todos os torcedores dos times brasileiros, que consiste justamente em ter um dos maiores craques do mundo se manifestando publicamente como torcedor da sua equipe. De volta ao Brasil, a todo vapor, movido pelo desejo exclusivo de realizar o sonho de jogar no clube que ama. Isso daria um filme.

Clique na imagem para assistir a chegada de Daniel Alves no aeroporto:

Antes de me aprofundar nos detalhes que envolvem sua chegada e apresentação, quero manifestar o que muitos torcedores reclamam, seja nos botequins da periferia, seja nas cadeiras VIPS das novas arenas: os jogadores não mais atuam por amor aos clubes, futebol virou negócio, o cara beija a camisa em um dia, promete amor eterno no outro, e em seguida fecha negócio com o rival, faz corpo mole, força a saída para ganhar mais ou é levado ainda na base por um europeu ou chinês. Afinal, é preciso lembrar que, por mais que muitos classifiquem como diversão, jogar futebol é uma profissão, as pessoas vivem disso, o que torna natural a mudança de emprego quando surge uma oportunidade mais rentável. Contudo, nem sempre é assim, há muito amor e paixão nessa relação, jogador e clube, hoje tão monetizada. Pense um pouco, você ficaria na empresa que trabalha por amor? Declinaria ofertas que quadruplicam o seu salário, por amor? O futebol tem dessas coisas…

Clique na imagem e confira o teaser que apresentou a contratação de Dani Alves:

O nascer do sol preenche de luz tudo o que era escuridão antes de sua chegada no horizonte. Daniel Alves é como o fim do eclipse no coração dos tricolores desacreditados e nostálgicos, que outrora intitulavam seu clube como “o Soberano”. O coração de cinco pontas teve como último ídolo o goleiro-artilheiro Rogério Ceni, atual técnico do Cruzeiro-MG, que pendurou as chuteiras oficialmente em dezembro de 2015, no estádio do Morumbi. Houve ainda uma segunda despedida, dois anos depois, do mesmo Rogério, que agora comandava o time do Morumbi na área técnica, e foi demitido do novo cargo, em julho de 2017. Em um caldeirão repleto de ingredientes indigestos como a troca de socos entre seus dirigentes, a descoberta de desvios em shows no estádio e os recorrentes insucessos desportivos, a diretoria tricolor adicionava o toque final à receita para entristecer seus fãs: demitir seu maior ídolo com aproximadamente 6 (seis) meses no cargo.

Foto: Despedida de Rogério Ceni (2015)

Como diz Eduardo Galeano: “… o ídolo é ídolo apenas por um momento, humana eternidade, coisa de nada; e quando chega a hora de azar para o pé de ouro, a estrela conclui sua viagem do resplendor à escuridão”. Muitos ídolos têm seu brilho ofuscado com passar do tempo, mas não Daniel Alves, uma máquina de conquistar títulos. Para que fique clara a diferença, na última década, Dani acumula 33 (trinta e três) taças (2009 – 2019), ao passo que o tricolor paulista coleciona apenas 1 (uma).

Portal UOL – Joven Pan

O lateral, que no São Paulo vestirá a 10, chegou ao Brasil portando em seu rosto, indisfarçadamente, a aparência sincera de um apaixonado em lua de mel. Seus olhos irradiavam felicidade e o vislumbre do sentimento de uma paixão inédita. O sorriso pregado, inabalável, como se fosse um quadro, pintado abaixo de seu nariz, lhe acompanhou do tumulto na recepção, com centenas de barulhentos torcedores presentes no aeroporto, até chegar aos milhares ensandecidos que o aguardavam calorosamente no Morumbi.

Imagem: SPFCTV

Sua apresentação foi colossal como são os méritos de sua carreira. Cobertura de toda a mídia esportiva brasileira e internacional, mais de 45.000 (quarenta e cinco mil) torcedores vibrando nas arquibancadas, transmissões ao vivo, presença de ídolos dos são paulinos como Raí, Lugano (URU), Kaká, Luis Fabiano, Hernanes e os ídolos mundiais. Além disso, Suaréz (URU), Casemiro, Cristiane e Messi (ARG) também deram as boas-vindas ao camisa 10 são paulino durante o período de apresentação no Cícero Pompeu de Toledo, reforçando sua grandeza e ampliando toda a esperança, confiança e reconhecimento de milhares de torcedores.

Imagem: SPFCTV – Vídeo de Lionel Messi (ARG) sendo exibido no telão do estádio do Morumbi 

Foto: Divulgação São Paulo – Da esq. p/ dir. Raí (Dir.  de futebol do SPFC e ídolo), Luis Fabiano (Atacante e ídolo do SPFC), Diego Lugano (Dir. de relações institucionais do SPFC e ídolo), Daniel Alves, Kaká (Ex-meio campista e ídolo do SPFC) e Hernanes (Atual meio campista do SPFC).

Como apresentar um atleta dessa magnitude? Tarefa complicadíssima e que o São Paulo soube lidar de maneira grandiosa, como merece o maior vencedor do futebol mundial. Foi realmente emocionante, do início ao fim. Programa ao vivo no Youtube sobre a sua chegada, vídeos de bastidores pré, durante e pós evento, vídeo emocionante de apresentação, vídeo demonstrando o sentimento da torcida, venda de copos com a imagem do atleta, coletiva com mais de 150 (cento e cinquenta) jornalistas, reunião de ídolos passados, presentes e recado de atletas consagrados mundialmente cumpriram a “matéria apresentação” com nota dez, elogiada em todos os veículos de comunicação. Não bastasse a festa pensada milimetricamente, a interpretação sincera do astro principal foi ainda superior a toda expectativa. Explodindo interna e externamente, recheado de emoção, declarou-se mais uma vez como um torcedor do clube, agradeceu, e demonstrou todo o seu respeito e admiração ao retirar suas chuteiras e meias para pisar no emblemático escudo do tricolor.

Foto: Divulgação São Paulo – Daniel Alves tira as chuteiras e ajoelha-se no escudo do São Paulo.

Se Daniel Alves terá o mesmo êxito de sempre, não é possível prever, mesmo que seu histórico diga o contrário. De qualquer modo, sua presença faz pulsar o coração vermelho, preto e branco de milhões de torcedores, atrai as lentes e holofotes das mídias esportivas, é um ótimo chamariz para marcas, contagia atletas que possuem sonhos similares e será vigiada passo a passo tanto por “haters” como admiradores do seu talento. O valor que Daniel Alves traz para o São Paulo é incalculável. Finda sua passagem, será possível obter dados sobre venda de camisas, percentual de crescimento de torcedores, reconhecimento da marca mundo afora, entre outras informações importantes. Por enquanto, Daniel funciona como um desfibrilador no time paulista.
Há de se comemorar, pois o São Paulo ganha, Dani ganha, o futebol brasileiro ganha. Quantos reconhecimentos e torcedores adquiriram Santos no período Robinho, Diego e Neymar, o próprio São Paulo com Kaká, Flamengo e Atlético-MG com Ronaldinho Gaúcho, Corinthians com Ronaldo e Roberto Carlos, dentre tantos outros exemplos. Ídolos são raros, são mágicos, arrastam multidões, possuem poderes inimagináveis. Que a onda de grandes jogadores desembarcando em terras tupiniquins esteja só no começo.

 Parabéns, São Paulo, boa sorte Daniel.

Foto: Divulgação São Paulo

“Sonhar é possível e realizar também…um dia sonhei com meu primo jogar no São Paulo e no Barcelona, hoje estou realizando a parte que faltava desse sonho! #GoodCrazyishere”

Clique na imagem para conferir o vídeo da cobertura dos bastidores São Paulo FC sobre a apresentação de Daniel Alves, vale a pena:

Clique na imagem para conferir o vídeo da cobertura ao vivo do São Paulo FC sobre o evento:

 

Foto destaque: Fox Sports

 

Gestor de marketing e comunicação no clube Ferroviária S/A de São Paulo.
Administrador público graduado pela UNESP. Especializado em gestão e marketing esportivo, colunista do portal Brand Bola e fã incondicional de esportes, criação e natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *