A cobra continua fumando, por Moisés Oliveira

A expressão “vai ser uma guerra” sempre foi utilizada no meio do futebol, principalmente, em alusão aos jogos da Copa Libertadores – competição que exige do atleta aquele “algo a mais” para superar o seu adversário quando a bola rola.

O que poucas pessoas sabem é que o esporte tem uma relação muito mais estreita com a guerra do que uma mera e corriqueira expressão. Muitos termos utilizados são oriundos da linguagem militar – como por exemplo as palavras: artilheiro, contra-ataque, capitão, bomba (um forte chute).

Buscando fazer uma homenagem, e uma ação de marketing solidário, o Coritiba Foot Ball Club, lançou na última sexta-feira (4), o seu 4° uniforme de jogo – intitulado de “Alma Guerreira,” em alusão a Força Expedicionária Brasileira (FEB) – Força militar do Brasil, que combateu o Nazi-Fascismo na 2° Guerra Mundial, nos campos de batalha europeus.

É importante salientar a grandeza do ato do clube curitibano, pois os pracinhas brasileiros não têm o reconhecimento que deveriam ter da sociedade civil. Não sabe se por desconhecimento dos feitos realizados na Itália, ou por simplesmente desinteresse histórico.

A camisa destaca-se pelo verde-oliva das cores do exército, e o patch da “cobra fumando” – símbolo da FEB, opcional que sai pelo valor de R$ 25,00 na compra da camisa. A renda das vendas terá 50% destinados à Legião Paranaense do Expedicionário.

A ligação do clube com o exército é antiga, desde os anos 20, quando o então presidente Antônio Couto Pereira, instaurou escolas militares nas dependências do clube – ganhando assim, o título de Major. Fato que explica o nome do estádio do Coxa.

Tal ação transforma o Coritiba no primeiro clube brasileiro a homenagear a participação de combatentes brasileiros na 2° Guerra Mundial, e o coloca na mesma prateleira de Sport e Corinthians. A meu ver, as duas equipes com maior potencial no futebol nacional para produzirem camisas com apelo histórico.

Um verdadeiro deleite para os colecionadores de camisas de times, que devem estar tendo comichões por todo o corpo numa hora dessas.

Fotos: Gazeta do Povo e ESPN Brasil 

Um comentário sobre “A cobra continua fumando, por Moisés Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *