CAMISAS LIMPAS, POR DIEGO CARNEIRO

Sem sombra de dúvida uma “camisa limpa” e tradicional ativa mais o interesse do torcedor, aguça a paixão, o aspecto “clean” da camisa, traz um layout agradável e potencializa o escudo e as cores do clube. Encontramos assim um paradoxo, utilizar uma “camisa limpa” que agrada ao torcedor tradicional ou estampar os patrocínios que são fontes de receita.

O Barcelona F.C, time de tradição mundial, desde a sua fundação só foi ter um patrocinador estampado sem sua camisa em 2010, por anos foi considerado um exemplo em termos de “camisa limpa”, porém não resistiu a atual conjuntura de mercado, que requer parceiros para um projeto solido e duradouro.

Outros exemplos de “camisas limpas”, são as das ligas Americanas (NFL, NBA E MLB), que os devidos uniformes não possuem patrocinadores, porém em 2018 esse contexto será diferente, pelo menos para a NBA, as franquias da referida liga já estão em negociação para estamparem patrocínios em suas camisas, quebrando uma tradição de anos.

A função de um patrocinador vai muito além de só expor sua marca na camisa do clube, o patrocínio deve alavancar o patrocinado, melhorar sua imagem perante o público e encurtar a distância entre o torcedor e o clube. Dever haver uma reciprocidade entre as partes, não basta apenas ter a marca estampada, tem que ter um elo de identidade.

Portanto analisando atual cenário, é fundamental que um clube possua um patrocinador, isso o ajudará em diversas esferas, mesmo que tire o encanto de uma “camisa limpa”, porém deve ser estudo uma forma de aplicação do patrocínio na camisa, deve ter uma sincronia e harmonia, caso contrário será apenas uma colcha de retalhos, muito nem sempre é mais.

Um comentário sobre “CAMISAS LIMPAS, POR DIEGO CARNEIRO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *